ASTROSOFIA

ASTRO-FILOSOFIA - ASTROLOGIA SIMBÓLICA - ASTROLOGIA PITAGÓRICA - A CIÊNCIA DOS CICLOS OU CICLOSOFIA - ASTROLOGIA ESOTÉRICA, COLETIVA & MUNDIAL
"ASTROLOGIA PROFUNDA PARA UM MUNDO MELHOR" - CIÊNCIA & FILOSOFIA NOVAMENTE UNIFICADAS PELA SÍNTESE!"
Eis que vimos a Sua estrela no Oriente e viemos homenageá-lo." Mt 2,2 (sobre os Reis-magos astrólogos)
"Eu (acredito em Astrologia porque) estudei o assunto, e o senhor não." Isaac Newton (a um crítico da Astrologia)

Disse uma sábia, fazendo eco a Newton, que "a Astrologia não é uma questão de crer, mas de conhecer" (Emma C. de Mascheville). E este se revela o único grande problema, ou seja: o de conhecê-la de fato, coisa dificultada ora pela sutileza de seus postulados, ora pelos desvios que sobre ela se acometem a partir disto. Mas nada disto desmente a sua importância histórica, que tem norteado os rumos das civilizações por milênios, sendo mesmo hoje respeitada sábios e presidentes.
APRESENTAÇÃO .....HOME..... INICIAL ..... EDITORA ....... VIDEOS....... GRUPOS......... GLOSSÁRIO

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

OS CICLOS KATUNS NA HISTÓRIA REPUBLICANA DO BRASIL

Temos demonstrado já a importância dos baktuns (ciclos de 400 anos) na História (ver aqui) e em especial na formação da nação brasileira. Agora trataremos de analisar os seus “sub-ciclos” katuns.
Katun é o ciclo de 20 anos que é a base da escala-de-tempo maia, e encontra respaldo astronômico nas conjunções sinódicas entre Júpiter e Saturno. Também chamados Cronocratores ou “Senhores do Tempo”, suas conjunções são efetivamente são empregadas para medir ciclos sociais desde a Antiga Pérsia, mais especialmente através de suas conjunções recorrentes no Elementos de 60, 200 (1/2 baktun) e 800 (duplo-baktun) anos. 


Com isto não estamos propondo haver uma “precisão cirúrgica” de tempo, porque tal coisa inexiste no universo, apenas tendências dominantes sujeitas a interferências eventuais que podem até impedir o surgimento ou o desenvolvimento das coisas. Ademais, podemos notar que, se os ciclos não se completam ou excedem, pode ocorrer “compensações” no ciclo seguinte, como também é comum acontecer na Natureza.
Vale notar que os atuais ciclos de 4 anos do governo brasileiro favorecem este registro porque 4x5=20, cálculo que representa ademais um ciclo comum ao calendário maia.
A República brasileira se caracteriza pela tensão e rodízios entre civilistas e militaristas, subdivididos também entre capitalistas e socialistas, ademais da importância do nacionalismo. Estas são as suas datas principais:


“Primeira República”: 1891-1930 (38 anos, quase duplo-katun). Ideologias não-avaliadas.
Fase 1. 1891-1894 Floriano (1º Período ou República da Espada”, golpe que influencia até 1898). 10 anos.
Fase 2. 1894-1930 (2º Período ou República Oligárquica”, consolidado apenas em 1898). 30 anos.

As divisões internas deste duplo-katun (que se completa com a Proclamação da República em 1889) mereceriam estudo mais detalhado -inclusive para caracterizar melhor as ideologias presentes-, contudo no momento central (começo do 2º katun) houve um recrudescimento da influência militar através de Hermes da Fonseca, aparentado e filiado politicamente ao proclamador da República, Deodoro da Fonseca.

“Segunda República”: 1930-1964 (34 anos, quase duplo-katun). Socialismo e Nacionalismo
Fase 1. A “Era Vargas”: 1930-1954 (24 anos).
Ditadura entre 1930-1934 e “istmo” entre 1945-1950.
Fase 2. Desdobramentos da “Era Vargas”: 1954-1964 (10 anos).
Café Filho (ex-vice de GV), J. Kubitschek, Jânio Quadros e João Goulart (vice de JQ)


Golpe e Regime militar: 1964-1985 (20 anos). Capitalista e “Patriotista”
“Desdobramento” do Regime militar: 1985-2002 (17 anos). Capitalismo.
J. Sarney, F. Collor de Mello e F. H. Cardoso (2x).

Temos assim um montante de 37 anos, próximo a dois katuns bem distribuídos.


Governo socialista (PT). O “momento” atual
Projeção de katun: 2003-(2022) = Lula (2x), Dilma (2x), Lula.
Na atualidade (2014) vivemos sob um novo regime social, de viés socializante, pese toda uma carga de distorções herdada ainda da Ditadura e face a conjuntura histórica de abrandamento (Social-Democracia) e desconstituição ideológica pós Guerra-Fria.

Os duplos mandatos de Lula e de Dilma somarão 16 anos em 2018, e se Lula viesse a ter outros dois mandatos totalizaria 24 anos. A “Lei do Katun” pode no entanto impedir um novo duplo-mandato de Lula, seja na lei (eventual lei contra a reeleição) ou na força (força branda popular ou dura militar), uma vez que a resistência ao PT cresceu muito quando Dilma alcançou o segundo mandato, face a enorme corrupção realizada pelo partido no poder desde o tempo de Lula.

Luís A. W. Salvi é escritor holístico, autor de cerca de 150 obras sobre a transição planetária.
Editorial Agartha: www.agartha.com.br
Contatos: webersalvi@yahoo.com.br
Fone (51) 9861-5178

Participe dos debates em nossos facegrupos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário