ASTROSOFIA

ASTRO-FILOSOFIA - ASTROLOGIA SIMBÓLICA - ASTROLOGIA PITAGÓRICA - A CIÊNCIA DOS CICLOS OU CICLOSOFIA - ASTROLOGIA ESOTÉRICA, COLETIVA & MUNDIAL
"ASTROLOGIA PROFUNDA PARA UM MUNDO MELHOR" - CIÊNCIA & FILOSOFIA NOVAMENTE UNIFICADAS PELA SÍNTESE!"
Eis que vimos a Sua estrela no Oriente e viemos homenageá-lo." Mt 2,2 (sobre os Reis-magos astrólogos)
"Eu (acredito em Astrologia porque) estudei o assunto, e o senhor não." Isaac Newton (a um crítico da Astrologia)

Disse uma sábia, fazendo eco a Newton, que "a Astrologia não é uma questão de crer, mas de conhecer" (Emma C. de Mascheville). E este se revela o único grande problema, ou seja: o de conhecê-la de fato, coisa dificultada ora pela sutileza de seus postulados, ora pelos desvios que sobre ela se acometem a partir disto. Mas nada disto desmente a sua importância histórica, que tem norteado os rumos das civilizações por milênios, sendo mesmo hoje respeitada sábios e presidentes.
APRESENTAÇÃO .....HOME..... INICIAL ..... EDITORA ....... VIDEOS....... GRUPOS......... GLOSSÁRIO

sexta-feira, 20 de abril de 2012

2012 - O “Jubileu” de Brasília: “Fogo novo” (O Grande Ciclo de Renovação)


Há 52 anos atrás, em 21 de Abril de 1960, acontecia a Fundação da nova capital do Brasil, celebrando um momento de euforia da nação brasileira, quando o país se preparava para figurar como uma nação emergente no cenário mundial, abrindo as suas portas para a modernidade e apresentando as suas inovações na área da arquitetura.
Acreditava-se que o país podia “dar certo”, que as dificuldades eram superáveis e que a democracia era uma instituição sólida.
Brasília era um atestado da modernidade da nação, uma cidade feita basicamente para os automóveis, os quais foram não casualmente apresentados na sarcástica anti-utopia de Aldous Huxley chamada “Admirável Mundo Novo” – que representa na verdade uma “metáfora da nossa realidade”-, como a imagem moderna de “deus”, tal o grau que os “tempos modernos” tem adorado esta inovação tecnológica e cada vez mais concedido os seus espaços, em detrimento a outras tecnologias e até ao próprio espaço do ser humano.
Feita para não ter sinaleiras e nem engarrafamentos, a nova Capital se encontra todavia hoje abarrotada de veículos, cenário cada vez mais semelhante ao das grandes cidades comuns. Todavia espaçosa e aberta como é, ainda não sofre mito com poluição acumulada e busca ampliar as suas vias na esperança de minimizar os seus males.
Brasília é a prova do planejamento imperfeito. Se esperava que a cidade contasse com uma população de 600 mil habitantes no ano 2000, mas já alcançava os 2 milhões de habitantes neste ano.
Ademais, o papel de Brasília como cidade-esperança também tem sido profundamente comprometido, sob o tacão da Ditadura Militar e sua herança nefasta.
Todo este quadro denota, pois, a necessidade de mudar esta situação para resgatar o verdadeiro papel desta cidade nova, surgida em meio a tantos sonhos e expectativas nacionais e mundiais.
A data é propícia porque encerra um ciclo tradicional de mudanças, que é o “Fogo-Novo” de 52 anos, e ainda mais, pois a segurança das mudanças em pauta, está em que esta data assinala igualmente ciclos maiores, como são o “Ciclo-Fênix” maia-nahua, de 520 anos e a Sexta Era Solar, de 5.200 anos. Analisaremos aqui, não obstante, especialmente o ciclo menor de 52 anos.


O “Fogo Novo”


Brasília é uma cidade profundamente comprometida com a escatologia da Nova era, e o fato de ter a sua fundação alinhada com o ciclo do Fogo Novo, apenas confirma esta realidade.A cerimônia do Fogo-Novo (xiuhmolpilli em nauatl , “a união dos anos”) era uma cerimônia asteca executada a cada 52 anos, sinalizando um ciclo completo do calendário asteca, e como forma de  impedir o fim do mundo, renovando os espíritos e reequilibrando a ordem social dentro de cada nova geração. Nesta data, os habitantes se desfaziam dos seus bens excessivos, e há indícios de que a cerimônia também era usada como um ritual de fundação ou renovação dinástica. Também entre os hebreus se implantou um importante jubileu de 50 anos, quando as terras eram redistribuídas e os escravos eram libertados.
A última cerimônia do Fogo Novo  foi celebrada pelos astecas no ano de 1507, havendo sido interrompida pela Conquista espanhola. O ciclo do Grande Fogo de 520 também era observado, e um ciclo de 500 anos costumava ser celebrado no Egito com o nome de “Rito da Fênix”, celebrado no Templo do Sol e indicando uma renovação num plano maior. 2012 corresponde a um destes ciclos maiores no calendário maia-nahua, abrangendo dez “Fogos Novos”, contados todavia a partir da própria Conquista (1492). No seguimento do calendário asteca, este ciclo incidiria no ano de 2027. Contudo, por toda a lógica, o ciclo maior que encerra em 2012 regula os seus próprios sub-ciclos internos, ou “fractais”. Por isto, datas como o 1492 (“Conquista”, 520 anos) e 1960 (Brasília, 52 anos), estão perfeitamente enquadradas na “grade” calendárica maia-nahua.

As subdivisões do ciclo


Este ciclo de 52 anos representa também 4x13 anos, segundo uma conhecida divisão do tempo maia-nahua, assinalando assim as datas de 1960, 1973, 1986, 1999 e 2012. Podemos analisar como particularmente simbólicos alguns acontecimentos ali decorridos ou nas proximidades, lembrando todavia que nenhuma nação é uma ilha, por isto acontecimentos nas vizinhanças e no mundo também sinalizam a situação interna, especialmente um mundo cada vez mais “globalizado”.
Tampouco poderemos negligenciar os importantes acontecimentos dos anos anteriores, sobretudo de 1959, como foi o sucesso da Revolução Cubana e a fuga do Dalai Lama do Tibet. Afinal, 1960 é o ano que demarca algo tão importante quanto um jubileu maia-nahua. Por esta razão, o ciclo em pauta possui duas grandes características: crise política e restauração espiritual.
Veremos assim que uma das grandes características deste ciclo geracional de 52 anos, é a criação de uma “cultura alternativa” que, uma vez amadurecida, pode oferecer novos paradigmas de civilização ao país e ao mundo, a partir das datas-chaves de 2001 e, em especial, deste 2012 anunciado pelos Antigos.


1. 1960-1972: Fundação

Em 1960 é inaugurada Brasília, a terceira Capital do Brasil, dentro de um esforço do governo socialista que permite trazê-la à luz em menos de cinco anos, para ser entregue no final do mandato de Juscelino Kubitshek naquele anoContudo, o chamado “Presidente bossa nova” não consegue fazer o seu sucessor nas eleições, e o populista Jânio Quadros vence as eleições para presidente da república. A mudança da Capital era então uma causa posta em dúvida por muita gente, o Brasil volta a se endividar para fazer frente a ela e o Brasil retoma as relações com o FMI para pedir empréstimos milionários. Com isto, o governador de São Paulo, consegue a vitória, dando início a um período de instabilidades que culminará no Golpe Militar de 1964, sob a grande mentira da “ameaça comunista” no Brasil.
1960 é também o ano em que John F. Kennedy, o grande ícone da democracia norte-americana, foi eleito presidente dos EUA. Seu governo prometia implantar uma “Nova Camelot”, uma Idade de Ouro de justiça e progresso para o país. Foi contudo assassinado em 1963, num ato jamais de todo esclarecido, depois de haver enfrentado a crise dos mísseis nucleares soviéticos em Cuba em 1962.
A Revolução Cubana possui um peso político enorme para a América Latina, porque era vista por muitos como apenas o começo de um ciclo revolucionário da região. Tal coisa levou ao crescimento da Guerra Fria, que em breve começaria a levar de roldão muitos governos democráticos sul-americanos, a começar pelo próprio Brasil, tido pela política norte-americana como país estratégico para controlar o subcontinente.
E a fuga do Dalai Lama extingue as esperanças de sublevação interna do Tibet, sinalizando o fim de um sistema social e espiritual antigo no País das Neves, dando início à diáspora tibetana e à difusão do lamaísmo no Ocidente. O Brasil está assinalado por muitas profecias, para sediar um movimento de renovação espiritual no mundo. E a criação de Brasília desponta como um sinal e o momento para estas coisas começarem a acontecer, velando quiçá outros acontecimentos capitais de teor espiritual ocorridos na época.
Vale notar ainda que, dentros destas preparações, em 1956, a Cidade Eclética do mestre Yokaanam, da Umbanda Branca, é transferida para as proximidades da futura Brasília, após seu fundador ter tido conhecimento dos planos de JK enquanto era oficial da aeronáutica e sobrevoar a região. Na mesma época, se instalou próximo ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a primeira Fazenda Escola Fazenda da região, a Bona Espero, um núcleo esperantista inspirado nos ideais fraternais de L. Zamenhov.  A Cidade da Fraternidade, de orientação kardecista, é fundada em 20 de dezembro de 1963, no Município de Alto Paraíso. Em 1969, é criado o Vale do Amanhecer nos arredores de Brasília.


2. 1973-1985. Sombras


Em 11 de Setembro acontece no Chile o golpe militar que depõe e mata o presidente Salvador Allende, um socialista eleito pelo voto direto, pelo general Augusto Pinochet, alçado ao cargo pelo próprio Allende. Representa este um marco indelével no processo da Guerra Fria, e corresponde ao final do chamado Milagre Econômico no Brasil, ocorrido no auge da repressão do regime militar sob o general Emílio G. Médici.
O Movimento hippie se expande pelo Ocidente, colaborando com a retirada dos Estados Unidos da Guerra do Vietnã neste mesmo mês. Em 1980 acontece o movimento “Rumo ao Sol”, a partir de uma reunião de cerca de 80 pessoas advindas dos ENCAS para buscarem juntas terras em Alto Paraíso a fim de praticar a vida alternativa. O projeto se debilita mas deixa uma marca indelével, dando início a um fluxo migratório e turístico místico e esotérico na cidade, passando a atrair muitas outras correntes para o local.
Em 1984 termina o Regime Militar, mas a democracia mostra a sua face arredia ao levar a eleger um títere do antigo regime.


3. 1986-1998. Mudanças


Aqui nos encontramos na metade do ciclo de 52 anos, onde se deve esperar acontecimentos realmente capitais, que adquirem um papel simbólico crucial.
Em 1986 é criado o Plano Cruzado, no governo de José Sarney, substituindo a antiga moeda o Cruzeiro, permitindo controlar a inflação, estabilizar a economia e retomar o crescimento econômico.
Acontece neste ano o acidente nucelar de Chernobyl, na Ucrânia, o maior desastre do gênero jamais ocorrido na História, abreviando os dias da União Soviética, a ser extinta nos anos seguintes. Na década de oitenta, o mundo ainda vive um novo ápice da Guerra Fria, e sob os novos riscos de uma guerra nuclear, é decretada uma verdadeira “corrida elo santo Graal” a fim de trazer uma nova luz espiritual ao mundo.
O ano prenuncia a Convergência Harmônica de 1987, baseado no cômputo do Fogo Novo realizado por José Arguelles, pela conclusão de 22 ciclos de 52 anos, ou 1.144 anos desde ano de 843 relacionado a Pacal Votan, o grande rei maia. A data anuncia uma Cruz espiritual que decorre com grandes conseqüências para o mundo e, em especial para o Brasil, razão pela qual o ano de 1988 tem sido observado por importantes autores nacionais.
O período marca o auge do Movimento Alternativo no Brasil, e a Fundação Arcádia e as Cúpulas de Saint Germain começam a dar um renome nacional e internacional à cidade de Alto Paraíso.


4. 1999-2011. Esperanças


Tem início o uso do Euro, ainda como moeda eletrônica. Ocorre o maior blecaute da historia brasileira, atingindo 10 estados e o Distrito Federal.
Acontece o maior tornado já registrado no mundo todo, a 511 hm/h, de categoria F6, atingindo o Oklahoma nos Estados Unidos da América.
O Novo Milênio consolida a mudança do palco das guerras para o Oriente Médio. A democracia brasileira segue vacilando, e a eleição de um governo popular ocorre sob as mazelas do comprometimento com o passado e a corrupção. Mesmo assim há avanços e o país se torna finalmente um país economicamente “emergente”.
O cumprimento das profecias de Nostradamus é esperado religiosamente por muitas pessoas, que se concentram especialmente em locais como Alto Paraíso. A não-ocorrência de eventos significativos gera uma série de crise locais, e muitos destes novos habitantes abandonam a cidade. Mas novos habitantes também seguem chegando, e a nova onda traz filosofias mais enraizadas na Tradição.


5. 2012. Jubileu


É o ano do jubileu/Fogo-Novo de 52 anos de Brasília, mas é também o ciclo-fênix de 520 anos da Conquista das Américas e a nova Era solar ou “Sexto Sol” do ciclo de 5.200 anos. Várias indicações marcam a realização de uma grande assembléia hierárquica nesta data, tal como os antigos nahuas afirmaram ter sucedido na abertura da Era solar anterior. Pois aquilo que temos aqui, é a energia da Quintessência e uma síntese das quatro etapas anteriores. 
Embora as tragédias sócias e ambientais estejam em curso para delinear os “sinais dos tempos”, a data assinala especialmente o amadurecimento da espiritualidade e a renovação das linhagens espirituais do mundo, graças à revelação e o acesso aos novos cânones de evolução para a humanidade e para a própria Hierarquia de luz.
As antigas linhagens espirituais estão cada vez mais se recolhendo, e mesmo trabalhadores da transição destes tempos, deixam o cenário para aquilo que deve acontecer de realmente novo. É o momento para colher os frutos amadurecidos do Plano de Preparação da Humanidade para a Nova Era, criteriosamente elabora pelas forças espirituais, em consonância com os seus servidores dedicados na Terra, como foram Saint Yves d’Alveydre, René Guenón, Helena P. Blavatsky, Alice A. Bailey, Helena e Nicholas Roerich, T. Saraysarian, M. Ivanhov e tantos outros –para mencionar apenas nomes diretamente ligados à espiritualidade, já que em muitas outras áreas a renovação veio andando a par com a destruição do velho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário